Aristides de Sousa Mendes em exposição e conferências

«Coragem em Tempo de Medo» é o mote para uma exposição e um ciclo de conferências em Caldas da Rainha.

Porque a coragem em tempo de medo é o exemplo de cidadania que o Cônsul Aristides de Sousa Mendes legou a Portugal e à Humanidade, e por que os tempos de medo são recorrentes, o Conselho da Cidade – Associação para a Cidadania, de Caldas da Rainha, de 14 de janeiro a 14 de fevereiro de 2016 promove uma Exposição no CCC – Centro Cultural e Congressos de Caldas da Rainha, e um ciclo de Conferências sob a designação genérica «Ser cidadão do mundo, hoje!» a ter lugar na Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, também naquela cidade vizinha de Rio Maior.

Consulte o programa na imagem.

aristidesousamendes

 

 

 

Categorias:Artes e Cultura Tags: , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

100 anos de Aviação Militar Portuguesa 100 anos de Aviação Militar Portuguesa
World Press Cartoon 2017 – prémios anunciados na Caldas World Press Cartoon 2017 – prémios anunciados na Caldas
A Beleza da Mãe de Deus é mote de exposição A Beleza da Mãe de Deus é mote de exposição
Dia Mundial da Terra tem «Flores em ponto Macro» Dia Mundial da Terra tem «Flores em ponto Macro»

Um Comentário

  1. ceo castro diz:

    Embaixador de Portugal trava homenagem a Aristides de Sousa Mendes
    a 26 de junho, 11h30. Praça de Portugal, bairro Belgrano, Buenos Aires, Argentina. Ansiedade, memória, emoção. A Câmara Municipal presta uma homenagem histórica a Aristides de Sousa Mendes pela valentia de salvar mais de 30 mil vidas (entre 16 e 23 de junho de 1940) ao conceder vistos, desobedecendo às ordens do ditador Salazar.

    Exatamente 75 anos depois, além de uma placa de homenagem, é plantada uma oliveira a partir de um galho da que Jorge Bergoglio, hoje Papa Francisco, então cardeal de Buenos Aires, plantou na Praça de Maio em louvor aos “Justos entre as Nações” — título que descreve aqueles que arriscaram as suas vidas durante o Holocausto para salvar as de perseguidos pelo nazismo. Assistem membros da comunidade judaica na capital argentina, a maior de toda a América Latina, alguns descendentes daqueles que Sousa Mendes salvou e que têm o português como herói.

    Tudo muito bonito se não fosse apenas ficção: três dias antes da homenagem, com tudo pronto, a cerimónia do dia 26 foi cancelada ou, em linguagem política, suspensa. O motivo: uma carta do embaixador português na Argentina, Henrique Silveira Borges, a Lía Rueda, presidente da Comissão de Cultura da Câmara de Buenos Aires em 19 de junho. Na carta, o embaixador português argumenta que “infelizmente, a Embaixada não teve conhecimento prévio da iniciativa. O que me surpreendeu”, destacou o embaixador.

    O ato de homenagem a Sousa Mendes tinha o apoio de diversas instituições dentro e fora da Argentina: Fundação Sousa Mendes, Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA), Centro Comunitário Sergio Karakachoff, Observatório Internacional dos Direitos Humanos, Museu do Holocausto em Buenos Aires, as embaixadas de França, Alemanha e Israel, Legislatura de Buenos Aires e até do Instituto Camões.

    “O único apoio que faltou foi justamente o da Embaixada de Portugal. Aquela que deveria ter apoiado com mais ênfase, disse que não com o seu silêncio. Primeiro não respondeu; depois fez gestões para proibir o ato”, explica Victor Lopes, o português autor do projeto. Lopes tinha a autorização de João Correa, diretor do filme “O Cônsul de Bordéus” (a ser transmitido no Museu do Holocausto na semana seguinte), que, em novembro passado, com o apoio da Fundação Sousa Mendes, apresentara o projeto de uma placa de homenagem na Praça Portugal na autarquia.

    De acordo com e-mails a que o Expresso teve acesso, Lopes escreveu ao embaixador Silveira Borges em 21 de janeiro e em 16 de março para lhe pedir apoio institucional. Nunca obteve resposta.

Responder

Enviar Comentário


7 − cinco =

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.