E se fecharem também a EN114 no desfiladeiro das Bocas?

E se de repente a Infraestruturas de Portugal fechar também a E.N. 114 no desfiladeiro das Bocas?*

Veja também a foto no Facebook.

Veja também a foto no Facebook.

Com a degradação e o abandono em que estão as muralhas da Estrada Nacional 114 junto às nascentes do Rio Maior tudo pode acontecer dada a facilidade com que se cortam acessos e se provocam restrições de circulação nos principais acessos a uma cidade sem antes se construírem alternativas. A partir do momento em que a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal cortou os principais acessos do IC2 à cidade de Rio Maior tudo é possível.

Não é de agora que se notam quebras na estrutura da muralha que foi construída em alvenaria para suportar o pavimento da Estrada Nacional 114 e que, desde o pilar central do viaduto do IC2 as muralhas estão cobertas por árvores de grande porte que impedem a visibilidade aos condutores na curva das Bocas o mesmo acontecendo com as nascentes do Rio Maior e com a Ribeira da Senhora da Luz que estão cobertas de árvores. E se de repente um incêndio destruir os cabos das telecomunicações que passam por cima das árvores e o fogo causar danos nos pilares e no tabuleiro do maior viaduto do IC2?

Km_0_N114A Estrada Nacional 114 que liga o Cabo Carvoeiro em Peniche a Évora no Alto Alentejo é uma das mais importantes vias de comunicação da zona oeste que liga as cidades de Peniche e das Caldas da Rainha a Rio Maior e a Santarém e que une os distritos de Leiria, Santarém e Évora. Construída antes da implantação da república a Estrada Nacional 114 é uma extensa e fundamental via que integra a rede nacional de estradas, que une três distritos e que ao longo de décadas sofreu diversas alterações no seu trajeto devido à construção de novas estradas que alteraram o percurso desta estrada, mantendo-se ainda hoje o percurso entre o Alto das Gaeiras e o Jogadouro na Freiria, percurso que antes de existir a Estrada Nacional 114 ligava a povoação de Óbidos à Estrada Real de Dona Maria que passava por dentro de Rio Maior e pelo Alto da Serra onde ainda existem alguns vestígios da Estrada Real junto à Casa da Muda.

No início deste século a Águas do Oeste também construiu uma extensa conduta de transporte de água paralela à Estrada Nacional 114 na zona do desfiladeiro das Bocas, conduta que caso o paredão e as muralhas da EN 114 cedam à pressão da passagem de milhares de viaturas pesadas originando o desabamento da estrada, colocará em perigo o fornecimento da água que é distribuída às populações através de um sistema de entrega ao domicílio muito complexo e difícil de entender que está dividido por várias empresas de captação e distribuição que abastecem 86 municípios, entre os quais Rio Maior.

As muralhas da EN 114 no desfiladeiro das Bocas

muralha_vegetacao

Quanto às muralhas da Estrada Nacional 114 no desfiladeiro das Bocas às portas de Rio Maior é indescritível o estado de degradação e o abandono (nr.: embora nos últimos dias lhes tenham dado um arranjo…) em que se encontram; são as muralhas de uma estrada que é fundamental e que liga Rio Maior à região oeste.

Não se sabe ao certo se a responsabilidade pela degradação e pelo desprezo em que as muralhas se encontram é da Direção de Estradas de Santarém ou da Direção de Estradas de Leiria. Um facto é certo. Alguma entidade terá que intervir para resolver um problema ambiental e rodoviário que representa um perigo para os utentes e para os condutores em geral.

E se de repente um incêndio destruir os cabos das telecomunicações?

E se de repente um incêndio destruir os cabos das telecomunicações?

É deplorável que a Infraestruturas de Portugal que foi tão rápida a fechar os principais nós de entrada do IC2 em Rio Maior por causa de um areeiro que está desativado há vários anos não mande fiscalizar a solidez do paredão que sustenta as muralhas e não mande desbastar o arvoredo que rodeia os pilares do principal viaduto do IC2, e as muralhas centenárias que no tempo da Junta Autónomas das Estradas eram mantidas em bom estado de conservação e de limpeza e que garantiam aos utentes as melhores condições de segurança e a visibilidade dos condutores através das muralhas de vãos abertos que se encontram agora degradadas e desprezadas.

muralha_rachada

Sobre as barricadas que a Infraestruturas de Portugal montou à saída de Asseiceira na EN1, vários leitores do Região de Rio Maior questionaram sobre se as fronteiras de Rio Maior de 1975 e as novas fronteiras de Rio Maior de 2016 que o jornal publicou há umas semanas tinham algo em comum com as barricadas que os agricultores montaram na EN1 em 25 de novembro de 1975. Pensa-se que não. Durante o PREC que conduziu aos acontecimentos do verão quente de 1975 o atual Primeiro-Ministro António Costa tinha apenas 14 anos de idade e dava os primeiros passos na Juventude Socialista e o atual Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques nasceu no ano seguinte.

O caso do bloqueio dos principais acessos a Rio Maior à saída de Asseiceira na EN1 e a não-construção de alternativas são a prova daquilo que o Estado não consegue prevenir nem remediar. Os incêndios que destroem tudo à nossa volta são um claro exemplo. Outro exemplo são as árvores na berma da estrada que anulam a visibilidade dos condutores na curva das Bocas.

E por falar nestas árvores na berma da estrada, que tal vendê-las?

eucalipto_cartazes

Talvez fosse agora o momento para a Direção de Estradas de Santarém propor à Infraestruturas de Portugal a venda das árvores da curva das Bocas que tapam os olhos aos condutores e a venda do Eucalipto que está na berma da Estrada Nacional 114 na Zona Industrial de Rio Maior, incluindo estas árvores no lote do leilão das 212 árvores em pé que a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal vai vender no próximo dia 13 de novembro de 2016. Mas isso não vai acontecer porque a DES está mais ocupada em manter o isolamento de Rio Maior e não dar condições aos bombeiros e às equipas de emergência médica do INEM para prestarem auxílio às vítimas dos graves acidentes de viação que ocorrem na variante Asseiceira – Alto da Serra acabando o nó do IC2 em Vale de Óbidos que foi começado há 27 anos e que está a apenas 2,5 km do Quartel dos Bombeiros Voluntários de Rio Maior obrigando as equipas de emergência médica do INEM e os bombeiros a percorrerem 14 km até ao centro da variante, conforme pode verificar no quadro que se segue.

distancias_sem_Vale_de_Obidos

Agora que Rio Maior está mais pobre depois do encerramento há cinco meses da principal entrada na cidade devido aos calhaus de cimento que a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal implantou nos nós da variante do IC2 à saída de Asseiceira na Estrada Nacional 1, o prolongado silêncio deste organismo público é preocupante e anormal por este mesmo organismo não construir alternativas para os utentes. Os planos turísticos e estratégicos são necessários e bondosos mas pouco adiantam se não forem consideradas as realidades no terreno e se não se exigir uma reabilitação imediata dos acessos à cidade que foram cortados há perto de quatro meses pela Empresa Pública Infraestruturas de Portugal. Desistir nunca!

Manter o isolamento da cidade e não dar condições aos bombeiros voluntários nem informar os cidadãos, é o melhor exemplo da falta de cooperação que atualmente existe entre os vários organismos estatais e os contribuintes que diariamente labutam para pagarem os impostos a um Estado que é implacável a cobrar e mandrião a fazer o que lhe compete.

Texto e fotos: Casimiro Lopes

* Artigo publicado no jornal Região de Rio Maior nº 1457, de 9/9/2016.

Categorias:Em Destaque, Rio Maior Tags: , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

IP terá dito que a EN114 vai ser intervencionada em Rio Maior IP terá dito que a EN114 vai ser intervencionada em Rio Maior
Judiciária detém incendiário em Samora Correia Judiciária detém incendiário em Samora Correia
Incêndios, neste domingo, no distrito de Santarém Incêndios, neste domingo, no distrito de Santarém
Incêndio, esta noite, na zona de Rio Maior Incêndio, esta noite, na zona de Rio Maior

Responder

Enviar Comentário


sete − 1 =

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.