1º Encontro de Coros Mistos lotou a Igreja da Misericórdia

O I Encontro de Coros Mistos da ACCRM encheu a Igreja da Misericórdia de Rio Maior.

A Igreja da Misericórdia encheu-se para assistir ao I Encontro de Coros Mistos da ACCRM.

A Igreja da Misericórdia encheu-se para assistir ao I Encontro de Coros Mistos da ACCRM.

Realizou-se na noite de 2 de julho de 2016, na Igreja da Misericórdia de Rio Maior o I Encontro de Coros Mistos organizado pela ACCRM – Associação Cultural do Concelho de Rio Maior.

A igreja estava lotada.

Coube ao Coro Calçada Romana, de Alqueidão da Serra, concelho de Porto Mós abrir o espetáculo. Criado em 1993 no seio da Casa do Povo local já deu inúmeros concertos em Portugal, além de dez concertos em Espanha e França. Cantou em direto para a TVI e para a Antena 1, está incluído no CD Portus Molarum, possui as Medalhas de Mérito Cultural do INATEL e do Município de Porto de Mós, organiza anualmente Sons Entre Mar e Serra e o Concerto de Natal de Alqueidão da Serra. Apresentou como particularidade, numa peça, a participação de uma solista, também ela coralista (à esquerda na foto, em primeiro plano). Foi dirigido até 2011 pelo maestro Joaquim Vicente Narciso. É seu atual maestro Noé Gonçalves.

Coral Calçada Romana de Alqueidão da Serra (Porto de Mós). Foto inserida: maestro Noé Gonçalves.

Coral Calçada Romana de Alqueidão da Serra (Porto de Mós). Foto inserida: maestro Noé Gonçalves.

Seguiu-se o Orfeão de Almeirim, também fundado em 1993. Detentor do estatuto de Utilidade Pública, este orfeão é constituído pelo Coro Adulto e o Coro Juvenil, ao todo 46 elementos. Organiza todos os anos cinco concertos: de Natal, Primavera e Verão, o Encontro de Coros Polifónicos e o Encontro de Coros Juvenis, além de manter viva a tradição do Canto das Janeiras.
Com uma vasta lista de atuações pelo continente e ilhas, à qual junta concertos na República Checa a convite do Grupo Coral de Milevsko, Itália com o Coro de Luka em Milão, em França com o Ensemble Vocal Coloquinte, em Espanha numa missa de domingo na Catedral de Santiago de Compostela e na Holanda a convite do Coro da Universidade de Maastricht, o Orfeão de Almeirim é dirigido pelo maestro Abílio Figueiredo que sucedeu no cargo à maestrina Fátima Cotrim, cujo antecessor foi o maestro Hélder Vitória Mação, desde a fundação até 1999.
Este orfeão apresentou numa das peças, uma pianista e noutra um clarinetista, ambos coralistas.

Orfeão de Almeirim (Coro Adulto): maestro Abílio Figueiredo.

Orfeão de Almeirim (Coro Adulto): maestro Abílio Figueiredo.

Foi depois a vez do Orfeão Caldense, cujo primeiro concerto remonta a 22 de agosto de 1932, embora a sua existência tenha sido formalizada em 16 de fevereiro de 1934. Chegou a ter logo de início 140 coralistas.
Ficou célebre a deslocação deste orfeão a Abrantes, terra do seu primeiro maestro, Carlos Silva, em 1953, pela forma como aí foram recebidos, acompanhados de diversas coletividades do concelho e grande número de caldenses.
Com a morte de Carlos Silva em 1970, o Orfeão Caldense sofreu um interregno de 30 anos na sua atividade até que um grupo de caldenses e amigos o fizeram renascer em 7 de julho de 2000.
Entre outras condecorações o Orfeão Caldense recebeu a da Ordem da Benemerência e ostenta estandarte próprio.
Este grupo coral é constituído atualmente por cerca de três dezenas de coralistas, “unidos pelo prazer de cantar e pelo agradável convívio que os seus ensaios proporcionam”, sendo regido pela maestrina Ruth Horta.

O Orfeão Caldense na Igreja da Misericórdia de Rio Maior. Foto inserida: maestrina Ruth Horta.

O Orfeão Caldense na Igreja da Misericórdia de Rio Maior. Foto inserida: maestrina Ruth Horta.

A finalizar o programa deste I Encontro de Coros Mistos atuou o Coro da Associação Cultural do Concelho de Rio Maior, de formação ainda recente e portanto em maturação, como é natural. Mas, dirigido pelo maestro Luís Gamboa, de vasto currículo, deu boa conta de si, de mais a mais num concerto em que necessariamente se expôs à comparação com coros com carreiras muito mais longas e pergaminhos notáveis. Parabéns pela coragem e o entendimento de que o caminho se faz caminhando.
A Associação Cultural do Concelho de Rio Maior (ACCRM) existe desde 14 de março de 1980. Este coro é a face mais visível de uma renovação da ACCRM iniciada em 2014 e que passou pela criação de uma Escola de Música em 1 de outubro desse mesmo ano, hoje com polos no Arco da Memória e em S. João da Ribeira; o objetivo da escola é servir de base a um embrião de orquestra e um coro polifónico SATB.
Recorde-se que durante muitos anos, a ACCRM projetou Rio Maior pelo país e no estrangeiro através do Coral e Orquestra Típica de Rio Maior (COTRM), designação à qual foi acrescentado o nome do seu fundador, maestro e compositor, António Gavino, após o seu falecimento, passando a sua sigla a ser COTAGRM, agrupamento este atualmente sem atividade.

Coro da Associação Cultural do Concelho de Rio Maior: maestro Luís Gamboa.

Coro da Associação Cultural do Concelho de Rio Maior: maestro Luís Gamboa.

Finda a atuação dos quatro coros, todas elas acolhendo muitas palmas de apreço pelo desempenho e reconhecimento pelo espetáculo proporcionado, Samuel Martins Pinheiro, presidente da direção da ACCRM agradeceu a adesão do público e o tributo que prestou aos coros, à presidente do Município, Isaura Morais e à presidente da Misericórdia de Rio Maior, Maria José Figueiredo agradeceu, respetivamente o apoio prestado à Associação e a cedência da Igreja da Misericórdia para tão digno evento cultural e manifestou a esperança de que este tenha sido o primeiro de muitos encontros do género.

No final do espetáculo foram oferecidos ramos de flores aos maestros e lembranças locais, nomeadamente saquinhos de sal das Salinas de Rio Maior. Na foto, à esquerda a presidente do Município, Isaura Morais e à direita Samuel Martins Pinheiro, presidente da direção da ACCRM.

No final do espetáculo foram oferecidos ramos de flores aos maestros e lembranças locais, nomeadamente saquinhos de sal das Salinas de Rio Maior. Na foto, à esquerda a presidente do Município, Isaura Morais e à direita Samuel Martins Pinheiro, presidente da direção da ACCRM.

Isaura Morais declarou-se “um bocadinho responsável por este «ressuscitar»” da ACCRM lembrando que a Câmara e os novos dirigentes da Associação foram falando desde o primeiro momento para viabilizarem a sua continuidade. Também a autarca espera que este Encontro seja o primeiro de muitos outros.

Houve ainda ocasião para a oferta de ramos de flores aos maestros e de lembranças locais, nomeadamente saquinhos de sal das Salinas de Rio Maior.

C. D.

Categorias:Música

Também pode ser do seu interesse:

Audição Final de 2017/2018 das Escolas de Música da ACCRM. Audição Final de 2017/2018 das Escolas de Música da ACCRM.
18 medalhas para o Clube de Natação, entre Rio Maior e Sevilha 18 medalhas para o Clube de Natação, entre Rio Maior e Sevilha
Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números
Atividade Operacional do Comando Territorial de Santarém Atividade Operacional do Comando Territorial de Santarém

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.