A Festa dos Caçadores é o novo livro de Henrique Fialho

Com A Festa dos Caçadores regressamos ao mundo de Henrique Fialho.

Henrique Fialho.

Desta vez temos prosa. A prolífera escrita do Henrique Fialho apresenta-se agora com um novo volume intitulado A Festa dos Caçadores. Num pequeno livro, em tamanho de bolso, mas com cerca de 330 páginas, regressamos ao mundo do autor riomaiorense.

São pequenos textos que remetem para a sua infância em Rio Maior, a sua juventude e maturidade, por outras paragens. São memórias que se misturam com imaginação e criatividade, o passado e o presente. Autobiografia, observação perspicaz do quotidiano, mas também delírio!

Alguns locais e personagens podem ser identificados facilmente por alguns amigos do autor, especialmente na cidade onde cresceu, antes de ir estudar para Lisboa e posteriormente passar a viver, até aos dias de hoje, nas Caldas da Rainha.

As raízes do Henrique, as mais antigas, estão em Arrouquelas, terra de origens familiares. As personagens que por aqui andam são desconcertantes, rocambolescas e caricatas. A cada conto há parágrafos finais a selarem o fim com um olhar de assumido e lúcido desencantado presente. Um livro felliniano, a fazer-nos lembrar o filme Amarcord do realizador italiano Federico Fellini. O passado a ser filtrado por uma memória que atua sobre o que ficou para trás e não foi esquecido, nada garantindo que realmente assim tenha sido. No cineasta e no escritor encontramos humor, mas menos conformado nos textos do Henrique.

A apresentação deste livro aconteceu no passado dia 14 de abril no Museu José Malhoa, em Caldas da Rainha, perante muitos amigos e familiares, alguns metidos nas páginas deste volume. A edição tem imagem gráfica com fotografias de capa e contracapa de Sal Nunkachove, criativo artista de Leiria.

A Abysmo, casa editorial jovem, já publicou autores Inês Menezes, Valério Romão, Inês Fonseca Santos, Fernanda Botelho, Carlos Querido, António Mega Ferreira, António Cabrita e Sérgio Godinho, entre outros autores. E agora tem um riomaiorense no catálogo! Em www.abysmo.pt podemos encomendar A Festa dos Caçadores.

Capa do livro «A Festa dos Caçadores».

Aqui fica o mais curto e primeiro texto de A Festa dos Caçadores, uma espécie de introdução:

NASCER

A primeira vez que nasci foi numa vila do antigo Oeste, disparado para dentro de um útero que, anos mais tarde, serviria para estender a roupa suja de um corpo iniciado na morte.

A segunda vez que nasci foi numa capital de aldeias divididas por praças deslavadas, numa paragem de autocarro, de madrugada, a aprender o ofício de viver com empenhada solidão.

A terceira e última vez que nasci foi numa falésia do esquecimento, a tentar resolver a dor da traição e o ódio daí crescente.

Devo hoje ser uma mistura disto tudo, embrulhado no papel do medo, amarrotado, à espera de um destino que me caiba em sorte.

E esta foi a história da minha vida. Até hoje.

Texto e fotos: Manuel Silva

Categorias:Literatura Tags: , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Salinas em capa de livro de Orlando Ribeiro Salinas em capa de livro de Orlando Ribeiro
Diga 33: a poesia no teatro Diga 33: a poesia no teatro
Diga 33 à terceira 3.ª feira de cada mês Diga 33 à terceira 3.ª feira de cada mês
Sábado taurino na vila de Azambuja Sábado taurino na vila de Azambuja

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.