Acudir aos animais que sobreviveram aos incêndios

Ordem dos Médicos Veterinários faz apelo à solidariedade dos portugueses para ajudar os animais sobreviventes dos incêndios

incendiosPerante a devastação dos incêndios do fim de semana de 14 e 15 de outubro de 2017, o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários, Jorge Cid, vem lançar um apelo a todos os portugueses e empresas nacionais para a doação de alimentos para os animais que sobreviveram aos incêndios. Esta tragédia que ceifou a vida a milhares de animais deixou outros milhares numa situação de completa escassez de alimentos, como palha, feno e alimentos compostos.

O sector da avicultura, que representa cerca de 60% da atividade da região Centro do país, foi o mais afetado com a morte de milhares e milhares de aves, a destruição total de pavilhões e ainda do maior centro de incubação do país.

Perante tal tragédia têm chegado à Ordem dos Médicos Veterinários inúmeros pedidos de ajuda para dar resposta à escassez de alimentos para os animais sobreviventes, com especial destaque para os ruminantes. Esta escassez deve-se também ao facto de as condições climatéricas deste ano terem sido completamente adversas à produção de géneros alimentícios para os animais e haver poucos stocks para dar resposta a este tipo de emergências.

Nesse sentido, a Ordem vem apelar com sentido de urgência à mobilização dos portugueses para apoiarem estes animais através da doação de alimentos, em especial palha e feno. A Ordem disponibiliza ainda uma conta solidária para onde os portugueses podem contribuir com um donativo cuja verba angariada será totalmente canalizada para a compra de alimentos e medicamentos. IBAN: PT50 0033 0000 00132948492 05.

Dada a premente urgência de alimentar os animais, a Ordem dos Médicos Veterinários já disponibilizou verbas para a compra de 40 toneladas de palha e feno que serão entregues em Oliveira do Hospital e na Lousã. Contudo, existem outras zonas do país a precisarem de apoio.

Todas as informações deverão ser endereçadas para o seguinte e-mail: apoio.solidario@omv.pt

Médicos veterinários estão no terreno nos concelho devastados pelos incêndios

Reagindo à catástrofe que foram os incêndios, a Ordem dos Médicos Veterinários reativou todos os esforços para ajudar os animais afetados, designadamente através da coordenação dos diversos médicos veterinários que já estão no terreno.

Nos vários locais os trabalhos estão a ser coordenados pelos médicos veterinários municipais, com a ajuda de outros médicos veterinários que exercem a sua atividade na zona. Os médicos veterinários começaram por tratar dos dados relativos aos animais que já morreram, estão a agilizar a estratégia para a recolha de cadáveres juntamente com as autoridades competentes, e a dar uma primeira ajuda na angariação de alimentos e medicamentos, bem como a prestar tratamento médico-veterinário aos animais afetados. Estão a ser feitos todos os esforços para tentar dar resposta aos efetivos pecuários da zona afetada pelos incêndios.

Já em junho, depois do incêndio de Pedrógão Grande, a Ordem dos Médicos Veterinários teve uma reunião com o Ministério da Agricultura para a criação de um plano de contingência, em caso de catástrofe, e a integração dos médicos veterinários na Proteção Civil. Foi igualmente criado um Grupo de Trabalho para ajudar nestas calamidades, tendo agora sido reativado esse grupo que integra vários médicos veterinários que se encontram a coordenar as diversas ações no terreno.

Categorias:Nacional Tags: , , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

CVP e Missão Continente promovem recolha de alimentos CVP e Missão Continente promovem recolha de alimentos
Incêndios: ACOS solidária com ovinicultores afetados Incêndios: ACOS solidária com ovinicultores afetados
CVP em ação na recuperação após os incêndios CVP em ação na recuperação após os incêndios
Temperaturas elevadas suscitam alertas da Proteção Civil Temperaturas elevadas suscitam alertas da Proteção Civil

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.