As Salinas

As Salinas

artigo de opinião de Miguel Félix Paulo*

Ainda D. Afonso Henriques não havia sido reconhecido Rei pelo Papa Alexandre III, a 23 de Maio de 1179, e já se falava das Salinas de Rio Maior.

Foi em 1177 que Pêro D’Aragão e sua mulher Sancha Soares, venderam aos Templários “a quinta parte que tinham do poço e Salinas de Rio Maior, cujo poço partia pelo Este com Albergaria do Rei; pelo Oeste com D. Pardo e com a Ordem do Hospital; pelo Norte com Marinhas da mesma Ordem; e pelo Sul com Marinhas do dito D. Pardo”. Assim diz Pinho Leal, citando o escrito comprovativo dessa venda. Este documento, que é o mais antigo que se conhece referente a Rio Maior encontra-se arquivado na Torre do Tombo em Lisboa.” – in Wikipédia.

E, como se pode ver, falou-se porque se fez um negócio de compra e venda e houve que fazer o relato para a História, uma espécie de Registo.

Tiveram a evolução dos tempos, subsistindo, ora com mais dificuldades, ora com menos, resistiram a intempéries, à devassa industrial como vizinha, sofreram ampliações e melhoramentos, sendo que grosso modo e nos tempos mais recentes foram construídos os tanques de concentração no nível superior, tiveram uma intervenção maior de requalificação em 1996, obras de reposição de parte do talude que sustenta a estrada municipal, que derrocou, um recente parque de estacionamento e a última construção de um novo armazém polivalente.

Enalteço o esforço de um Plano de Pormenor de execução recente, também.

São as Salinas de Rio Maior, onde há “Sal sem Mar”, numa apresentação de alguns segundos daquela que entrou para a lista das 49 Aldeias pré-finalistas das 7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, inseridas na categoria de Aldeias em Áreas Protegidas.

E agora, é suposto votarmos todos e mais alguns que conseguirmos mobilizar para que tenha boa classificação, e quem sabe, ganhe. Todos os domingos, durante 7 semanas, a RTP vai transmitir uma Gala dedicada a cada uma das 7 categorias. A primeira Gala teve lugar a 9 de Julho e o processo culmina a 3 de Setembro, em plena Feira Nacional da Cebola, com o anúncio dos vencedores por cada categoria.

O maior proveito que toda esta operação nos poderá trazer é, sem dúvida, a divulgação deste Património único e visitável que temos. E é também aqui que podem começar os problemas. Não é que não tenhamos já alguns, mas podem vir outros mais chatos.

Nas Salinas de Rio Maior, um dia típico de pressão de visitas pode ser: 1 restaurante cheio de clientes e o respectivo parque de estacionamento cheio de automóveis; casas de banho exteriores com fila e muito poucas condições de utilização e higiene; 3 autocarros a deambular por ali e parando onde os motoristas melhor podem para incomodar menos; 1 posto de turismo fechado; automóveis, bicicletas, trotinetes e peões num salve-se quem puder por entre as lojinhas de madeira; Salineiros de rodo na mão dentro dos talhos; o dumper carregando o sal e em manobras; pessoas em fila indiana pelos carreiros fora entre os talhos; um pau de gelado que lá escapou da mão de um miúdo ou de um graúdo; pessoas ávidas de saber mais da história daquele espaço; e pessoas que fervem de raiva ao verem aquela desordem e risco para a preservação das salinas, com alguma má informação à mistura…

Agora vamos imaginar que fruto da divulgação e onda turística que o País atravessa, este cenário se multiplica por 2 ou 3, para começar:

CAOS: substantivo masculino para confusão, desordem, perturbação. É o que me ocorre. Acrescido pela má imagem que daqui será transportada e por aqueles que farão desta visita a única, e enquanto a má memória durar não voltarão, nem recomendarão a ninguém que passem por cá. E o Turismo de hoje vive muito da recomendação que cada um faz ao seu núcleo de relações próximo e dos comentários vivenciais que coloca, por exemplo, na internet.

O assunto das Salinas não é fácil de abordar e mete Salineiros e empresas, Comerciantes, Cooperativa e Associações, CCDR, Parque Natural, Câmara Municipal e Junta de Freguesia, Região de Turismo, Opinião Pública… Pessoas. E até no campo dos animais é preciso regular o seu trânsito e permanência nas Salinas, é muito complicado, de facto.

Mas nos tempos de hoje, em que o País acordou para o Turismo doméstico e externo, com a compreensão de todos para uma mudança necessária, sob pena de se perder uma oportunidade (e já se perderam algumas), com um Plano de Pormenor aprovado, e a notoriedade e divulgação que programas como este das «7 Maravilhas de Portugal – Aldeias» dão, não se exige uma dinâmica maior e mais eficaz?

É quase como o Cadastro Nacional: nunca ninguém o começou porque era difícil e demorava tempo! E os anos passaram-se, na mesma.

Alguém tem de ter a paciência de dar o mote e iniciar o trabalho, executando um Plano que tem de ser debatido por todos, ter o contributo de todos e ser integrado para bem do Património. Não só para que traga visitantes, mas para que seja um sucesso e âncora de muitas outras coisas complementares. A Serra, os outros Monumentos e Pontos de Interesse que temos, as Festas Populares, as Feiras, outros Eventos, o Turismo Rural, os Restaurantes, as Associações, e o mais que possa surgir a “reboque” de âncoras como esta.

É comum e popular montarem-se “pacotes de experiências e vivências” onde o Turista “vive” um conjunto de actividades integradas num dia, em dois ou três. Mas, para isso, tem de haver Plano e estrutura pelo que uma divulgação precipitada pode ser contraproducente. E não me passa pela cabeça pararmos de divulgar as Salinas, nem é isso que se defende aqui.

Gostava é que se pensasse já na forma de receber os visitantes, e nós Riomaiorenses, e se pudesse divulgar também tudo o resto que falta. E falta muito.

Notas:

  1. Artigo publicado na edição nº 1501 de 14/7/2017 do jornal Região de Rio Maior.
  2. Texto escrito em desconformidade com o Acordo Ortográfico.
Categorias:Opinião Tags: , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

ESTM/IPLeiria: certificação de qualidade renovada ESTM/IPLeiria: certificação de qualidade renovada
Restaurante de Rio Maior tem certificado TripAdvisor Restaurante de Rio Maior tem certificado TripAdvisor
Empresas internacionais na Frimor em 2017? Empresas internacionais na Frimor em 2017?
Tasquinhas de Rio Maior e Turismo Tasquinhas de Rio Maior e Turismo

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.