Audição Final de 2017/2018 das Escolas de Música da ACCRM.

Samuel Pinheiro não se recandidatou à presidência da direção da ACCRM  e foi homenageado pelos seus pares na Audição Final das Escolas de Música.

Coube ao Coral CantoRio abrir a sessão de audição dos alunos das Escolas de Música da ACCRM.

Em 16 de junho em curso, na Audição Final deste ano letivo das Escolas de Música da Associação Cultural do Concelho de Rio Maior (ACCRM), que se pautou por excelentes demonstrações da evolução registada pelos alunos nos diferentes níveis de aprendizagem, o auditório do Cineteatro Municipal de Rio Maior assistiu, a anteceder a parte final, a uma homenagem ao presidente da direção cessante, Samuel Martins Pinheiro, que não se recandidatou.

Hoje, 23 de junho, os associados da ACCRM devem eleger novos corpos sociais.

Coube a Manuela Fialho, presidente da mesa da assembleia geral da ACCRM, dar voz à homenagem – “merecida”, afirmou.

A presidente da assembleia geral da ACCRM, Manuela Fialho, quando fazia a homenagem a Samuel Martins Pinheiro. Ao seu lado outro dirigente da Associação: Ginestal Paula.

Nascida em 1980, a Associação Cultural do Concelho de Rio Maior começou por dinamizar uma biblioteca pública, além de outras atividades de cariz cultural como teatro, colecionismo e o Coral e Orquestra Típica António Gavino de Rio Maior. “Viveu momentos áureos, especialmente na década de oitenta e na de noventa do século XX, tendo nessa altura contado com fortíssimo apoio da Câmara Municipal de Rio Maior”, referiu Manuela Fialho enfatizando esse “fortíssimo apoio” no enquadramento da homenagem.

“Após um longo interregno nas suas atividades”, a ACCRM “retomou em 2014 o seu percurso”, deparando-se “à data, com as consequências da prolongada inatividade, com uma clamorosa falta de recursos, humanos incluídos, e com a desmobilização da sociedade local para a sua Associação Cultural ou não fosse a Cultura o parente pobre da política”, criticou a presidente da assembleia geral.

De Samuel Martins Pinheiro, afirmou ter tido “a coragem de assumir os comandos do navio, reunir um grupo de pessoas interessadas na continuação da vida cultural associativa e paulatinamente a Associação Cultural tem vindo a impor-se como força atuante na sociedade local marcando já a agenda cultural do concelho”.

Mencionou a implementação da Escola de Música e do Grupo Coral CantoRio, e mais recentemente a dança artística e a realização dos Serões Temáticos que constituem momentos de partilha de conhecimentos com a comunidade sobre os mais variados temas.

Alguns dos alunos das escolas de música da ACCRM.

Atualmente, a ACCRM tem cerca de 200 associados número que traduz um crescimento exponencial – “dez vezes superior àquele que existia em 2014”, revelou Manuela Fialho, assumindo: “Acreditamos que uma sociedade culta e esclarecida será também uma sociedade exigente e reivindicativa o que não nos demove, antes nos impulsiona a continuar.”

Para a dirigente associativa, aqueles que sucederem a Samuel Martins Pinheiro e aos demais órgãos sociais “conseguirão com toda a certeza levar o navio a bom porto”, sem esquecer que foi ele que “teve a coragem de pôr o projeto” da ACCRM “de novo em marcha, de contra ventos e marés se rodear das pessoas certas, para o que é precisa muita inteligência, e a que ele devem “a vontade de se disponibilizar e abdicar de momentos preciosos que poderia, se egoísta fosse, dedicar apenas aos seus”.

A concluir, a presidente da assembleia geral diria: “Samuel Martins Pinheiro teve um sonho, acreditou nele e pô-lo em marcha. Não só se entregou à direção da Associação como integrou e espero que continue a integrar o seu grupo coral e se disponibilizou com a sua poesia sempre que a Associação para tanto foi solicitada. Soube ouvir e, resiliente, entregou-se a este projeto. Certamente também levará algo de nós que o acompanhámos e acreditámos na sua capacidade mas o certo é que o timoneiro foi ele.”

A plateia tributou uma calorosa salva de palmas ao homenageado.

Outros alunos das escolas de música.

A última parte do espetáculo que foi a audição das Escolas de Música da ACCRM preencheram-na, brilhantemente, o embrião da Orquestra Juvenil e alguns jovens do Ensemble da Associação bem como os Radio City.

Nesta foto, alguns jovens do Ensemble da ACCRM e futura Orquestra Juvenil.

Os Radio City são um agrupamento musical que despontou do Ensino Articulado de Música ministrado na Escola Básica Integrada Marinhas do Sal de Rio Maior. Este conjunto é constituído por alunos do 7°A – os primeiros artistas do ensino articulado da música. O único instrumentista adulto que habitualmente integra o conjunto é o guitarrista Daniel Pinto, pai de um dos meninos. Eles são mesmo bons a tocar e o vocalista tem essa especial qualidade de ser comunicativo e observador, o que potencia a interação do conjunto com o público.

Este é o conjunto riomaiorense Radio City, cujo único adulto é o guitarrista, Daniel Pinto.

Regista-se que a abrir esta Audição das Escolas de Música da ACCRM atuou o Coral CantoRio, dirigido pelo maestro Luís Gamboa Ferreira.

Apontamento e fotos: Carlos Manuel

Categorias:Artes e Cultura Tags: , , , , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Região | O Caldas Nice Jazz, Festival Internacional Região | O Caldas Nice Jazz, Festival Internacional
Região | Juvenis abriram a XVIII Gala do Acordeão Eugénia Lima Região | Juvenis abriram a XVIII Gala do Acordeão Eugénia Lima
Região | Inaugurada em Rio Maior a USF Villa Romana Região | Inaugurada em Rio Maior a USF Villa Romana
Região | Rede Nacional de CAR – Projeto de Internacionalização encerra Região | Rede Nacional de CAR – Projeto de Internacionalização encerra

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.