Bernardo Monteiro – um jovem cozinheiro

Bernardo Monteiro – um jovem profissional
“GOSTO DE SER COZINHEIRO”

Bernardo Monteiro.

Bernardo Monteiro.

O jornal REGIÃO de Rio Maior (REGIÃO) esteve à conversa com Bernardo Monteiro (BM), cozinheiro de profissão, 22 anos de idade, riomaiorense de São João da Ribeira, filho de Célia Teresa e Jó Monteiro, antes da sua partida para Dénia, em Alicante (Espanha) onde foi trabalhar num restaurante com uma estrela Michelin.

Um percurso académico ligado à cozinha e pastelaria e uma infância vivida entre familiares com jeito para a cozinha fazem de Bernardo Monteiro um entusiasta pela gastronomia e por tudo o que a complementa, com vontade de trabalhar e aprender mais nessa área.

•••

REGIÃO – Como foi o seu percurso escolar?

BM – Andei na escola em Rio Maior. Terminei o 9º ano na Escola Fernando Casimiro Pereira da Silva e prossegui estudos na Escola de Hotelaria e Turismo de Santarém através do Ensino Profissional. O curso era de 3 anos mas devido ao encerramento dessa escola em Santarém tive de terminar o último ano na Escola de Hotelaria e Turismo do Porto.

REGIÃO – E durante os estudos esteve a trabalhar?

BM – Sim, tive várias experiências. Estive no Convento do Espinheiro, em Évora e trabalhei com o Chefe Avilez em três restaurantes: no Cantinho do Avilez, no Belcanto (que tem duas estrelas Michelin) em Lisboa e no Já em Casa, em Cascais.

Estojo de instrumentos de trabalho de Bernardo Monteiro.

Estojo de instrumentos de trabalho de Bernardo Monteiro.

Os Chefes de Rio Maior

REGIÃO – Quando terminou o curso da Escola de Hotelaria e Turismo, com equivalência ao 12º ano, e acabaram esses estágios profissionais, foi para onde?

BM – Depois vim para Arrrouquelas e fiquei no MaeLuisa do Chefe Igor Martinho. Também fui trabalhar para Sagres com o Chefe Michael Valentim, que também é de Rio Maior, no Resort Martinha.

REGIÃO – Retomou estudos?

BM – Sim. Tirei outro curso, desta vez de Gestão e Produção de Pastelaria, na Escola de Hotelaria e Turismo das Caldas da Rainha. É um curso avançado, de nível 5. De seguida estagiei no Pestana Palace, em Lisboa e após o estágio fui contratado como cozinheiro.

REGIÃO Como foi a sua passagem pelas Caldas da Rainha?

BM – Acabei por fazer esse curso nas Caldas da Rainha porque não consegui entrar na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Acabou até por ser mais fácil de conciliar porque Caldas da Rainha fica mais perto do que Lisboa.

REGIÃO – Não lhe tem faltado trabalho, calculo… Já teve experiências profissionais internacionais?

BM – Sim. Estive na cidade de Dénia, na região de Alicante, em Espanha, no restaurante Quique Dacosta, do Chefe com o mesmo nome, que está classificado como o 62º restaurante entre os 100 melhores do Mundo, tendo conquistado três estrelas Michelin. Terminei esse trabalho a 20 de julho (nr.: de 2017) e estou a tirar alguns dias de folga até partir para Valência, para outro restaurante do Chefe Quique Dacosta, o Poblet, que também já tem uma estrela Michelin.

REGIÃO – Recapitulando: quantos cursos tirou e quais?

BM – Dois. Cozinha e Pastelaria é a minha área principal. De seguida tirei um curso nível 5 de Gestão e Produção de Pastelaria. Decidi frequentar o segundo curso para alargar os meus conhecimentos. O estágio de 3 meses no Pestana Palace foi de Pastelaria mas o tempo que estive contratado já foi como cozinheiro.

REGIÃO – Não é Chefe mas é quase…

BM – Não tenho título de Chefe e para já essa não é a minha ambição. Gosto de ser cozinheiro. Para o futuro… Quem sabe?…

REGIÃO – Quando está de férias qual é a sua relação com a cozinha? E a família como reage?

BM – Tento fazer uma pausa mas se vou para a cozinha volto sempre ao mais tradicional ainda que conciliando com alguma coisa da experiência que fui adquirindo profissionalmente. A família e os amigos agradecem e apreciam mas também respeitam a necessidade de descanso. Esta é uma profissão que, embora gratificante para quem gosta mesmo, tem horários excessivos que vão de 12 a 18 horas diárias.

REGIÃO – Que função vai assumir no restaurante El Poblet, em Valência?
BM – Vou ser Chefe de Partida da Secção de Carnes. Em alguns restaurantes a hierarquia da cozinha abaixo do Chefe divide-se em sub-chefes ou chefes-juniores, mas em algumas grandes cozinhas chama-se Chefes de Partida aos responsáveis de cada área específica, que comandam uma equipa de assistentes com a mesma função.

REGIÃO – Disse que quer continuar a aprofundar conhecimentos. Isso é mesmo necessário para um cozinheiro?
BM – Hoje em dia um cozinheiro tem de se especializar em outras áreas para além da Cozinha em si, como por exemplo, vinhos ou outras áreas complementares.

REGIÃO – Sempre teve vocação para a Cozinha?
BM – Sim. Sempre tive na família grandes cozinheiros embora não profissionais. Posso dizer que entrei para o mundo da Cozinha antes desse grande “boom” da moda de cozinheiros que aparecem nas revistas e na televisão. Não foi isso que me influenciou. Sempre tive grande gosto e entrega por esta área e só quem está neste ramo é que sabe que é preciso mesmo muita entrega para conseguir atingir objetivos.

Entrevista: Carlos Manuel/C.A.M.

Categorias:Sociedade Tags: , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Alunos de Constância em viagem de estudo à Europa Alunos de Constância em viagem de estudo à Europa
Novo livro sobre casinos lançado em Portugal Novo livro sobre casinos lançado em Portugal
EHTO no Festival de Chocolate de Óbidos EHTO no Festival de Chocolate de Óbidos

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.