É urgente abrir ao trânsito o Nó de Vale de Óbidos!

O nó de Vale de Óbidos foi projetado pela JAE – Junta Autónoma das Estradas, para ser o principal nó de acesso à cidade de Rio Maior.

Mas volvidos 25 anos o nó de Vale de Óbidos continua a ser um intransponível monte de pedras!

Tudo começou em finais dos anos oitenta do século passado. Para terminar com o pesadelo que a população de Asseiceira sofreu durante mais de 30 anos pela passagem da EN 1 por dentro da localidade e o volume de trânsito pesado que se registava junto das Indústrias de Carnes Nobre que em 1957 se tinham instalado à entrada de Rio Maior, e devido também às perigosas curvas do Alto da Serra, o Governo presidido pelo então Primeiro-Ministro Aníbal Cavaco Silva decidiu construir a variante Asseiceira-Alto da Serra com 12,9 quilómetros de extensão e em pavimento betonado, vários viadutos superiores e inferiores de apoio a caminhos agrícolas; 1 viaduto sobre a estrada Rio Maior-Vale de Óbidos, 1 viaduto com 224 metros de comprimento sobre a EN 114 junto às nascentes do Rio Maior e três nós rodoviários.

Desfiladeiro das Bocas antes da construção do viaduto do IC2.

Desfiladeiro das Bocas antes da construção do viaduto do IC2.

O primeiro nó localizado à entrada da localidade de Asseiceira era para servir o sul do concelho, o segundo nó localizado junto da localidade de Vale de Óbidos era para servir a cidade de Rio Maior e o terceiro nó localizado no Alto da Serra era para servir o norte do concelho. Ficou concluído apenas o nó de Asseiceira. Em 1992 o jornal «Riomaiorense» informava que o vice-presidente da JAE, Eng. Rangel de Lima tinha recebido os autarcas de Rio Maior e que estes tinham trazido a certeza que dentro de algum tempo quem viesse do Norte entrava em Rio Maior através de uma passagem desnivelada a fim de não cortar o trânsito de quem vinha de Lisboa. Para esse efeito foi construída a rotunda do Alto da Serra que passou a servir também o Mercado de Santana no concelho das Caldas da Rainha. Em 1994 foi construído o nó rodoviário de saída de Asseiceira (agora encerrado) e que fazia parte do percurso do IP 6 que deveria ter ligado a cidade de Peniche a Castelo Branco, hoje a A-23.

Desfiladeiro das Bocas - Base de um dos pilares do viaduto do IC2 construído em 1988.

Desfiladeiro das Bocas – Base de um dos pilares do viaduto do IC2 construído em 1988.

A variante do IC 2 começou a ser construída em 14 de janeiro de 1988 e foi inaugurada pelo secretário de Estado das Vias de Comunicação, engenheiro José Falcão e Cunha, tendo custado ao Estado Português um milhão e setecentos mil contos.

A não abertura do nó do IC2 em Vale de Óbidos no dia 22 de março de 1989 (dia em que foi inaugurada a variante), a não conclusão deste nó, enfraqueceu a principal zona de comércio da cidade de Rio Maior entre a Avenida dos Combatentes e a Praça da República, mas evitou, os acidentes (quase diários) que então se registavam no cruzamento da EN1 à entrada de Rio Maior.

Na época vários colaboradores do Região de Rio Maior alertavam nas páginas do jornal que o comércio da cidade ia sofrer com a anulação do nó de Vale de Óbidos e que a não conclusão desse nó, por se encontrar a meio da variante colocava em causa o acesso de bombeiros e viaturas de emergência à variante do IC2.

Faixas de rodagem da Variante Asseiceira-Alto da Serra...

Faixas de rodagem da Variante Asseiceira-Alto da Serra…

Volvidos mais de 25 anos basta passar (com o máximo cuidado) pela variante do IC2 (km 71) e verificar como há muitos anos deveriam ter sido removidos os montes de pedra que lá estão e concluir-se este nó, para finalmente se poder abrir ao trânsito a principal entrada por onde deveriam entrar (e sair) veículos ligeiros, utentes dos mais variados ramos de atividade, visitantes e os serviços de emergência médica.

Volvidos 25 anos o nó de Vale de Óbidos continua a ser um intransponível monte de pedras!

Volvidos 25 anos o nó de Vale de Óbidos continua a ser um intransponível monte de pedras!

Não se compreende que decorridos tantos anos tivessem sido alargadas as faixas de rodagem e alterados (e bem) os pavimentos do IC2 até à localidade de Alcoentre no concelho da Azambuja e se tivesse mantido o pavimento betonado da variante entre a Asseiceira e o Alto da Serra, tendo até sido construída uma saída do IC2 para servir o Mercado de Santana (km 78) que pertence à freguesia de Alvorninha no concelho das Caldas da Rainha, continuando fechado o nó de Vale de Óbidos que seria a principal entrada na freguesia de Rio Maior.

O acesso cortado pela IP à cidade de Rio Maior ao km 68,8 (nó do IC2).

O acesso cortado pela IP à cidade de Rio Maior ao km 68,8 (nó do IC2).

Agora que a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal decidiu encerrar ao trânsito o nó rodoviário mais próximo do centro da cidade de Rio Maior (km 68,8) para evitar o abatimento das faixas de rodagem devido à intensidade das chuvas e a uma cratera com várias dezenas de metros de profundidade, os utentes perguntam!

— Não será agora o momento exato para a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal analisar e concluir o nó de Vale de Óbidos que há mais de 25 anos deveria estar a servir os moradores de Vale de Óbidos, Casais dos Silvas e Abuxanas do concelho de Rio Maior e os moradores dos Casais da Serra, Landal e Bairradas do concelho das Caldas da Rainha para usufruírem de uma variante que passa próximo destas localidades?

Agora que está na ordem do dia dizer-se (e bem) que o dinheiro público é dos contribuintes, os nossos governantes têm aqui uma oportunidade para demonstrarem aos utentes como é possível pouparem-se muitos milhões de euros dos contribuintes e evitar a construção de gigantescos taludes de betão e a colocação de estacarias para suportarem as escarpas movediças que ameaçam as faixas de rodagem que foram encerradas em 12 de maio de 2016. Perante estes factos, os utentes perguntam!

— Não será mais correto optar-se por uma solução mais barata como é a de analisar e concluir o nó de Vale de Óbidos em vez de se gastarem milhões de euros do dinheiro público dos contribuintes com a implantação das estacarias e com a construção dos gigantescos taludes de betão para fortalecer as escarpas de uma antiga extração de areias?

Senhores Gestores: Façam o favor de analisar concluir o nó de Vale de Óbidos que foi iniciado há mais de 25 anos e que ainda está por concluir. Está lá tudo o que é necessário e básico para abrir este nó a viaturas ligeiras:

  • Viaduto (1003) sobre a estrada municipal Rio Maior-Vale de Óbidos que está em bom estado de conservação.
  • Separadores em bom estado de conservação.
  • E a placa oficial (km 68) que informa que a cidade de Rio Maior está a apenas a 4 quilómetros de distância.
Rio Maior a 4 km de distância daquele que deveria ter sido o Nó de Vale de Óbidos.

Rio Maior a 4 km de distância daquele que deveria ter sido o Nó de Vale de Óbidos.

No mesmo local onde há mais 25 anos foram iniciadas as obras de construção do nó de Vale Óbidos (CG: 39º 19′ 22.59″N  8º 56′ 57.63″O) ainda lá estão os quatro ramais com as entradas e as saídas que foram iniciadas e que nunca foram concluídas. Se nos próximos meses nada for feito, a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal deve um pedido de desculpas aos utentes que entram na portagem da A-15 de A-dos-Francos e que saem da A-15 na portagem Rio Maior-Oeste pela qual pagam 0,55€, e que, para chegarem ao centro de Rio Maior andaram 22,5 quilómetros quando podiam andar apenas os 4 quilómetros que a placa informa, porque, como estes utentes têm apenas uma possibilidade para chegarem ao centro de Rio Maior através da variante do IC2, andam e surge-lhes a entrada que agora foi encerrada (km 68,8). Menos de 1 quilómetro mais adiante surge-lhes pela frente a placa oficial que informa Rio Maior a 4 km (km 68). A partir desta placa os utentes andam, andam e andam, passam pelo Alto da Serra até que chegam ao centro da cidade de Rio Maior depois de andarem quilómetros e mais quilómetros por uma variante insegura (devido ao mau estado do piso) e depois de terem pago uma portagem.

Perante factos, os utentes perguntam!

— Será esta a alternativa rodoviária que nos próximos meses (ou anos) a Empresa Pública Infraestruturas de Portugal tem para oferecer aos utentes que andam sobrecarregados de impostos e que ainda pagam portagens?

Texto e fotos: Casimiro Lopes

Categorias:Em Destaque, Rio Maior Tags: , , ,

Também pode ser do seu interesse:

A Seleção Nacional de Futsal está em Rio Maior A Seleção Nacional de Futsal está em Rio Maior
NA ESDRM x NA Samora Correia disputam o comando NA ESDRM x NA Samora Correia disputam o comando
Melhores nadadores da região treinam no CAR Rio Maior Melhores nadadores da região treinam no CAR Rio Maior
Unidade fabril da Generis em Rio Maior Unidade fabril da Generis em Rio Maior

Um Comentário

  1. Nuno Silva diz:

    E os pesados? Solução? Continuarem a transitar dentro de asseiceira?

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.