Estamos na Semana da Fibrilhação Auricular

De 20 a 26 de Novembro assinala-se a Semana da Fibrilhação Auricular.*

Já avaliou o seu pulso hoje?

* Preocupações da Sociedade Portuguesa de Cardiologia

A cada 15 segundos, morre uma pessoa com um Acidente Vascular Cerebral causado por fibrilhação auricular. A Semana da Fibrilhação Auricular alerta para os números associados a esta doença.

A fibrilhação auricular (FA) é a arritmia mais comum na prática clínica, afetando milhões de pessoas na Europa. Traduz-se numa deficiente circulação sanguínea, levando à formação de coágulos que se podem posteriormente soltar, dando origem a um AVC. Em Portugal 2,5% da população com mais 40 anos sofre desta situação, que está presente numa em cada 10 pessoas depois dos 65 anos. Esta arritmia aumenta a mortalidade e o risco de AVC, pelo que um diagnóstico atempado pode ajudar a salvar muitas vidas. São já cerca de 200 mil os portugueses que sofrem desta doença e estima-se que 1 em cada 4 pessoas venham a desenvolvê-la no futuro.

Divulgar amplamente os riscos associados à FA e sensibilizar para o diagnóstico precoce é uma iniciativa internacional da SEMANA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR, que decorre de 20 a 26 de novembro. A APAPE – Associação Portuguesa de Arritmologia, Pacing e Eletrofisiologia, e a Sociedade Portuguesa de Cardiologia aderem a esta importante iniciativa junto da população, com o objetivo de ajudar a perceber que na suspeita da presença desta arritmia se deve consultar o médico assistente que tem orientações assentes em recomendações internacionais para o tratamento atempado e eficaz desta patologia.

A FA pode ser assintomática num número muito significativo de pessoas. Por isso, é importante que avalie o seu pulso regularmente – perceber se os batimentos são arrítmicos e qual a frequência cardíaca, uma vez que a FA torna o ritmo do coração desorganizado e acelera os batimentos cardíacos, frequentemente para mais de 100 por minuto. Um ritmo cardíaco normal pode variar entre 60 e 100 batimentos por minuto em repouso, mas aumenta sob situações de stress, durante a prática de uma atividade física ou mesmo como efeito secundário de algum tipo de medicação.

Para evitar o aparecimento da fibrilhação auricular, as medidas de prevenção passam por evitar situações de stress, praticar atividade física, comer de forma equilibrada combatendo a obesidade ou o excesso de peso e deixar de fumar.

Episódios de falta de ar (dispneia), fadiga constante, tonturas, um ritmo cardíaco irregular ou demasiado lento/rápido (abaixo de 60 bpm ou acima de 140 bpm, em repouso), sinais de insuficiência cardíaca e desconforto no peito são característicos desta doença. No entanto, estes sintomas nem sempre estão presentes!

O risco de vir a desenvolver fibrilhação auricular aumenta significativamente com a idade, sendo que, após os 55 anos, o risco duplica a cada 10 anos, sendo o sexo masculino o mais afetado em todas as faixas etárias. No ano de 2050, estima-se que o número de pessoas com fibrilhação auricular tenha duplicado devido ao envelhecimento da população.

Categorias:Saúde Tags: , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Cuidados com os pés no verão! Cuidados com os pés no verão!
22 de julho é Dia Mundial do Cérebro 22 de julho é Dia Mundial do Cérebro
AVC: reconhecer os sinais de alerta pode salvar vidas AVC: reconhecer os sinais de alerta pode salvar vidas
AVC: Será que a mobilidade vai voltar a ser a mesma? AVC: Será que a mobilidade vai voltar a ser a mesma?

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.