Lagoas do Areeiro estão a ser destruídas? – CMRM responde a acusações

A Câmara Municipal de Rio Maior (CMRM) respondeu, já no decorrer do dia de hoje (17 de Julho de 2014) às acusações e questões levantadas pelo Movimento Ar Puro relativamente às obras de aterro que continuam nas lagoas de Rio Maior.

É a primeira vez que a CMRM resolve dar esclarecimentos públicos, mas ainda assim a edilidade riomaiorense afirma já ter dado esses mesmos esclarecimentos através de carta ao Movimento Ar Puro (pode ler a referida carta aqui).

Em relação às questões levantadas pelo Movimento Ar Puro, a CMRM respondeu em nota de imprensa que passamos a transcrever na íntegra:

 A Câmara Municipal de Rio Maior vem, por esta forma, esclarecer publicamente a situação em que se encontra a pedreira “Condessinha 2”, mais conhecida por Areeiro de Rio Maior e suas lagoas, de forma a evitar a especulação já existente em torno deste assunto, provocada por alguns artigos publicados na comunicação social local e regional.

  Alertada para a movimentação de terrenos naquela zona deslocou-se ao local o serviço de fiscalização da autarquia, tendo constatado que efetivamente esses movimentos de terras existiam e que vários prédios no local tinham sido adquiridos pelo Sr. Fernando Filipe Lindo, incluindo-se, num deles, uma das lagoas ali existentes, gerada pela exploração de inertes no local ao longo de décadas.

 Na presença dos fiscais da autarquia foi confirmado pelo proprietário que a sua intenção é devolver ao seu estado original o terreno, procedendo ao aterro da cratera existente, e consequentemente de uma das lagoas, com terra vegetal até ao nível do arruamento já existente, circundante à empresa ENOPORT.

 Foi nessa altura o proprietário informado pelos colaboradores da autarquia de que não poderia continuar os trabalhos de aterro sem o competente licenciamento, incorrendo nas penalidades em vigor na lei.

 O auto de noticia e contraordenação resultante dessa visita foi enviado pela Câmara Municipal de Rio Maior, em 07/07-72014 via email e por ofício escrito, à Direção Regional de Economia de Lisboa e Vale do Tejo (DRE-LVT), entidade competente para a instauração e instrução de processo de contraordenação, cumprindo o disposto no art.º 56 do Decreto-Lei nº340/2007, de 12 de Outubro.

 Foi ainda, na mesma data, informada a Guarda Nacional Republicana da situação existente, bem como do contínuo desrespeito, pelos camiões que transportavam terra para o referido aterro, pela sinalética de trânsito existente no local bem como para as condições deficientes de acondicionamento da carga que transportavam, sujando e deteriorando as condições de segurança do pavimento, facto tanto mais grave por se encontrar próximo um estabelecimento escolar, sendo do conhecimento do município que esta já terá procedido a diversas ações de fiscalização no local.

 A Câmara Municipal de Rio Maior mais não pode fazer do que continuar a acompanhar a evolução da situação junto das entidades competentes, nomeadamente a DRE-LVT, salvaguardando da melhor forma possível os interesses dos munícipes, sem nos esquecermos de que estamos perante uma situação do domínio privado, pois o terreno possuí um legitimo proprietário, não tendo por isso a autarquia qualquer forma de intervenção no processo escolhido pelo mesmo para a recuperação do espaço em causa, após a obtenção do respetivo licenciamento pela entidade competente.

 Apesar de efetivamente constar do Plano Estratégico de Rio Maior que “A requalificação e recuperação dos areeiros permite a minimização do impacto da indústria de exploração de inertes devolvendo às áreas exploradas a sua aptidão original e potenciando a sua reutilização para as zonas de lazer e de recreio dentro do espaço urbano de Rio Maior”, esta pretensão pública choca claramente com a propriedade privada do espaço, o que não invalida que a autarquia não possa tentar sensibilizar o proprietário para que o Plano Ambiental de Recuperação Paisagística do local possa incorporar medidas coincidentes com as orientações do Plano Estratégico.

 A atuação desta autarquia será sempre pautada pela defesa dos interesses das suas populações, dentro do cumprimento dos enquadramentos legais existentes, e para isso gostaria de contar com a colaboração e parceria das diversas associações e movimentos do nosso concelho, aos quais sempre se dispôs a prestar todos os esclarecimentos que entendessem necessários sobre qualquer situação.

 É por isso com alguma tristeza que vemos determinadas instituições enveredarem por caminhos mais próximos do combate político que da defesa dos interesses dos munícipes a que se arrogam, acusando primeiro e procurando respostas depois, e chegando a faltar à verdade quando acusam esta autarquia de nunca lhes ter dado resposta quando a mesma foi atempadamente enviada, em 02/06/2014, conforme consta de anexo a este esclarecimento.

 Sendo os membros eleitos desta Câmara Municipal pessoas idóneas, defensoras dos legítimos interesses das populações que democraticamente representam, continuarão a fornecer a qualquer interessado toda a informação disponível sobre esta ou outras situações, pois é seu entendimento que os cidadãos têm direito a aceder a todo o tipo de informação pública, cumprindo o princípio da transparência, e são eles que, nos locais próprios, devem julgar a qualidade da sua atuação.

Categorias:Rio Maior Tags: , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Mercadinho Romano de Rio Maior já tem programa provisório Mercadinho Romano de Rio Maior já tem programa provisório
DST originam mais de 350 milhões de novas infeções por ano DST originam mais de 350 milhões de novas infeções por ano
EPRM promoveu MarkeTHINKing Day e já pensa no próximo EPRM promoveu MarkeTHINKing Day e já pensa no próximo
A Cidade Florida numa conversa com Ana Filomena Figueiredo A Cidade Florida numa conversa com Ana Filomena Figueiredo

2 Comentários

  1. Nataliya diz:

    Essa foi boa "pautada pela defesa dos interesses das suas populacoes,dentro do cumprimento dos encuadramentos legais?!!!!??????? Sinseramente senhores…..!

  2. igor jorge diz:

    a Câmara Municipal de Rio Maior já não sabe o que faz.
    Só um exemplo se os helicóptero precisarem de agua ali perto tem muita e é útil para os fogos e não só e para a escola de superior de desporto de rio maior, fazem la actividades e o pior que sabem disso o poder só lês sobe a cabeça é o que é…

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.