O fogo e as gentes

O fogo e as gentes

artigo de opinião de Miguel Félix Paulo*

Camões escreveu que “Amor é fogo que arde sem se ver”, mas o fogo que consome as nossas florestas, e as casas, e os animais, e tudo o que apanha no seu caminho, arde e vê-se bem.

E vê-se a tremenda incapacidade de um País e das suas Povoações, com Protecção Civil, Bombeiros, Forças Armadas, Sociedade Civil, incluídos, no combate a estes incêndios e, mais ainda, na sua prevenção.

E de quem é a culpa? De Portugal, de todos nós.

Só para falar em Primeiros-ministros, e já nesta Terceira República pós-25 de Abril e Junta de Salvação Nacional, começou em Adelino da Palma Carlos e acaba em António Costa. Mas como poderia ter acabado em Passos Coelho, ou José Sócrates, ou Durão Barroso, ou António Guterres, Cavaco Silva…

São anos e anos a fio encarando a Floresta como um “apêndice” da Agricultura, deixando arrastar situações e suportando-nos num Corpo de Bombeiros, voluntário. Podem estar lá para o ano, como podem não estar, podem ter os mesmos meios deste ano, como podem até ter menos, ou irem chegando à medida que o território vai ardendo.

São Concursos Públicos para aquisição de meios e serviços que ainda decorrem quando o País já arde, aviões que chegam aos bochechos e quando chegam, outros helicópteros que não voam porque não há peças, carros de bombeiros maduros que avariam ou nem saem do Quartel e ocupam espaço, a falta de água, de comida adequada, de formação, de organização, a dúvida de se saber se o Exército avança ou não, sob o Comando de quem, onde, para fazer o quê…?!

E depois passamos para o terreno. Da alguma e pouca experiência que vou tendo na análise dos pontos críticos no terreno, quando se analisa a instalação de equipamentos, e do que me lembro quando também passei por funções públicas, já vi estradas, aceiros e arrifes onde o próprio combro de separação das águas serve para plantar mais uma fila de eucaliptos, já vi eucaliptos cortados durante um incêndio para que os carros pudessem aceder à floresta e terem de ser pagos ao proprietário em sede de acção judicial, já vi palheiros anexos a casa de habitação, lares de terceira idade rodeados por eucaliptos e pinheiros, casas a confinar com matagais, bombas de incêndio partidas, pilhas e pilhas de material combustível a apodrecer na floresta, estradas e aceiros lavrados pela água e sem qualquer intervenção durante anos…

Um dia, ainda jovem, lembro-me de numa visita de um Secretário de Estado a Rio Maior, aquando da construção do Quartel de Bombeiros que conhecemos hoje, ter-lhe perguntado se não achava que as verbas para a sua construção eram insuficientes já que o número de viaturas e a área que tutelavam já era significativa e ele ter-me respondido que “… não tinha culpa que a Corporação tivesse tantos carros.”

Se somarmos a tudo isto a incapacidade de proceder a um levantamento completo do Cadastro sabendo de quem é o quê, à incapacidade de aplicar uma Lei de limpeza das Florestas e espaços rurais que até é robusta, percebendo também como resolver o problema da propriedade agrícola e silvícola que não se sustenta a si mesma, pelo menos – o rendimento que gera mesmo que se venda não cobre o custo que tem ao longo dos anos, não temos dúvida de que caminharemos em frente porque o tempo não pára, mas dificilmente iremos a algum lado de forma concertada e eficiente e em caso de incêndio estão populações e interesses gerais de um País em perigo.

No caso concreto de Rio Maior, não é difícil imaginar as proporções que facilmente um incêndio pode atingir e as consequências que pode ter para os lugares, freguesias e a própria Cidade se uma das manchas florestais dos cerca de 40% de território do Concelho florestado for afectado e como tantas vezes já tivemos “ensaios e amostras” ao longo dos anos, talvez este que corre e o de 2003, sejam os piores do passado recente.

Rio Maior tem uma boa área florestal essencialmente de pinheiro e eucalipto, muita da qual com alguma organização do território, tem uma boa Corporação de Bombeiros e com meios – que são sempre escassos –, tem Associações e empresas a operar no território no âmbito da Gestão Florestal, a Cooperativa que associa produtores e as Zonas de Intervenção Florestal. O próprio Município tem competências atribuídas nesta área e estrutura administrativa criada para o efeito.

Mas do que se percebe, ainda há muito a fazer. Muita formação e esclarecimento a dar a Produtores e interventores na floresta. Há muito “mato para roçar” e acções de sensibilização e identificação de soluções concretas para empreender. E financiamento necessário para isto.

Muito próximo de casas de habitação há terrenos fundos onde as silvas e o mato suplantam os pinheiros. De quem é a propriedade? Porque não é limpa? Quem limpa, então? Quem paga? Quem a mantém de futuro para que não volte àquele estado?

São perguntas que têm de ser postas e que têm de ser respondidas por muito que nos custe abordar o tema. Ninguém virá cá fazê-las, nem resolver o problema por nós. Temos de ser nós a fazê-lo na Junta de Freguesia, na Câmara, nas Associações, nas empresas e entre particulares. E antes que o fogo resolva o problema da limpeza por nós. Porque pode limpar muito mais do que as simples silvas.

A Floresta é um activo precioso que Rio Maior tem, na economia do Concelho e para a Indústria e não pode ser menosprezado. A par dos terrenos que não sendo produtivos economicamente mas que têm um valor inestimável sob o ponto de vista ambiental, ecológico, lúdico e de enquadramento.

Prevista para Rio Maior está também uma Central Térmica para produção de electricidade através de biomassa florestal residual que por motivos políticos nacionais, administrativos e financeiros ainda não se fez, nem se sabe se se fará.

Mas não podemos estar reféns disto nem de outra coisa qualquer para criarmos soluções. E digo soluções porque não há “a solução” mas antes uma conjugação de vontades e iniciativas tendentes a resolver um problema.

Saímos de umas Eleições Autárquicas recentes e teremos novos Executivos em breve. Talvez valha a pena pensar nisto e fazer da Floresta um Amor que não se veja arder.

Obs.: Este texto não respeita o novo Acordo Ortográfico.

* Artigo publicado na edição nº 1515 de 20/10/2017 do jornal Região de Rio Maior.

Categorias:Opinião Tags: , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números
Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números
Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números
Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Os Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.