O sal e o açúcar: dois inimigos do coração

16 de outubro é Dia Mundial da Alimentação.

Sociedade Portuguesa de Cardiologia alerta: sal e açúcar são inimigos do coração

Excesso de peso, Obesidade, Hipertensão arterial e Diabetes: 4 fatores de risco para a doença  cardiovascular ligados  a comportamentos alimentares.

sal_acucar_destJá há quem designe  o século XXI como “o século tamanho XXL”. A verdade é que, de acordo  com os dados relativos ao consumo alimentar da população portuguesa, obtidos através do Inquérito Alimentar Nacional e relatado no relatório anual do consumo alimentar e do  estado nutricional apresentado pelo Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde, é possível concluir que o consumo de bolos, doces, bolachas, snacks  salgados, pizzas, refrigerantes, néctares e bebidas alcoólicas representam cerca de 21% do  consumo total. Ora, estes alimentos têm, invariavelmente, sal e açúcar em excesso!

No Dia Mundial da Alimentação, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia alerta para a importância de monitorizar a ingestão de sal e açúcar na alimentação. Um dos grandes desafios da política alimentar e nutricional portuguesa, para os próximos anos, será devolver a tradição alimentar mediterrânica ou uma adaptação.

O programa nacional para as doenças cérebro-cardiovasculares destaca, como um dos objetivos a atingir em  2020, a redução do consumo de sal, 3-4% ao ano, durante os próximos 4 anos.

Impacto da redução do consumo de açúcar e sal na saúde cardiovascular

Em Portugal, a obesidade infantil apresenta números elevados face à media europeia, e a obesidade em  idade  adulta continua a aumentar, constituindo um dos principais problemas de saúde pública com  o qual Portugal terá que lidar nos próximos anos.

Cerca de 14% das crianças portuguesas, entre os 7 e 9 anos de idade, são obesas. Nos adultos, a prevalência da obesidade é de 22%, a nível nacional, sendo superior no sexo feminino e com  maior expressão nos indivíduos idosos. Relativamente ao excesso de peso, também designado de pré-obesidade, tem uma  prevalência de 35%.

Segundo a Organização Mundial de  Saúde  (OMS), reduzir a ingestão de  açúcar para menos  de 10% e ingerir menos de 5 grama de sal por dia, são hábitos alimentares que designam uma dieta saudável e que reduzem o risco de obesidade, de hipertensão, de diabetes e, consequentemente, de doença cardiovascular.

Além  do  sal (ou  cloreto de  sódio)  que  adicionamos  à comida,  há  que  ter em atenção  que  muitos  dos alimentos  que  já têm um  elevado  teor de  sódio. Por exemplo, por cada 100 gramas, o leite tem 50 miligramas de sódio, os ovos 80 e o pão 250. Os níveis de sódio elevados associam-se a um aumento do risco cardiovascular, sublinha a OMS.

Neste Dia Mundial da Alimentação, a Sociedade Portuguesa de Cardiologia deixa um desafio: Controle e monitorize o que come e bebe! Não deixe nas mãos de terceiros o que  consome e escolha  com  cuidado os alimentos  que  compra para  a sua casa e para  a sua família.

Categorias:Saúde Tags: , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

HDS – nota máxima para a Consulta de Doenças Auto-Imunes HDS – nota máxima para a Consulta de Doenças Auto-Imunes
Tabaco é fator de risco para as dores nas costas Tabaco é fator de risco para as dores nas costas
Diabesidade, um problema grave de saúde Diabesidade, um problema grave de saúde
Doença de Parkinson afeta 18 mil portugueses Doença de Parkinson afeta 18 mil portugueses

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.