Os Caçadores de Mistérios… em Rio Maior

Catarina Abreu apresenta o seu livro «Os Caçadores de Mistérios – a Mata Misteriosa» na sua cidade – Rio Maior.

Catarina Abreu, a autora de «Os Caçadores de Mistérios – a Mata Misteriosa».

Catarina Abreu, a autora de «Os Caçadores de Mistérios – a Mata Misteriosa».

É já no próximo dia 17, sábado, que a autora de apresenta a sua obra de literatura infantojuvenil, na Biblioteca Municipal Dr. Alexandre Laureano Santos, às 16h00.

Catarina Abreu convida o público em geral e em especial professores, educadores, alunos, pais, avós, enfim, todos os que apreciam literatura infantojuvenil e apoiam o incentivo à leitura pelos mais jovens, a estarem presentes no lançamento do seu primeiro livro da coleção «Os Caçadores de Mistérios».

Nesta primeira aventura, seis amigos (Sérgio, Rita, Alexandra, André, Beto e Carlota), com idades compreendidas entre os nove e os catorze anos (André e Rita são os caçulas) pensavam que iam passar umas pacatas e aborrecidas férias numa aldeia alentejana, em casa da avó de Beto (numa pequena quinta), mas enganaram-se.

Desde que chegam à aldeia, depois de uma viagem de comboio e outra de carroça, começam logo a ouvir histórias e boatos, que aparentemente nada têm em comum mas que, estranhamente, acabam por se ligar entre si.

Nesta aventura os jovens heróis vão encontrar:

– uma bruxa que percorre a mata;

– um biólogo suspeito,

– um pintor,

– uma louca amazona juvenil;

– uma lenda de uma história de amor impossível;

– uma fábrica de curtumes,

– uma obra (de um complexo turístico grandioso) amaldiçoada por acontecimentos noturnos estranhos;

– e ainda um bando de criminosos.

Também ficam a conhecer factos históricos relacionados com as invasões francesas no Séc. XIX e a sua influência ali no Alentejo, que também são importantes para completar o “puzzle” do mistério que investigam.

Que poderão ter em comum todos estes factos e pessoas? Os seis amigos vão encontrar essa resposta na mata misteriosa. Além de desvendar e interligar todos os mistérios, estes jovens e os seus amigos vão ter de enfrentar uma quadrilha perigosa, ação sempre dificultada pela condição física de Beto, que é paraplégico e desloca-se numa cadeira de rodas.

Contudo, Beto é também o mais persistente e um dos mais engenhosos do grupo (só batido por André), provando constantemente que a sua limitação física não o impede de chegar onde quer ou de atingir os objetivos a que se propõe.

É esse o lema do grupo: seguir em frente, ultrapassando os obstáculos, um de cada vez, nunca desistindo, mesmo quando as pistas não os conduzem de imediato ao caminho certo. Funcionam como uma equipa, sempre juntos e procurando respostas que os levem à verdade.

Uma aventura cheia de peripécias divertidas, bem como perigosas e arrepiantes. E é só a primeira de muitas… – descreve a autora de Rio Maior.

11-10livro

Categorias:Rio Maior Tags: , ,

Também pode ser do seu interesse:

1 de junho é dia mundial de «O Roubo da Taça Árabe» 1 de junho é dia mundial de «O Roubo da Taça Árabe»
Filipa Caetano apresenta ‘À Beira-Mar (uma vida, uma história)’ Filipa Caetano apresenta ‘À Beira-Mar (uma vida, uma história)’
Há gente interessada no «Tesouro do Castelo de Leiria» Há gente interessada no «Tesouro do Castelo de Leiria»
Um presente de Natal! Um presente de Natal!

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.