António Costa inaugurou novas instalações do CDRsp/IPLeiria

Na Zona Industrial da Marinha Grande o Primeiro-Ministro inaugurou novas infraestruturas do CDRsp/IPLeiria.

«O Instituto Politécnico de Leiria é desde há vários anos uma instituição exemplar» – afirmou.

António Costa com Nuno Mangas.

António Costa com Nuno Mangas.

“O Instituto Politécnico de Leiria é desde há vários anos uma instituição exemplar, quer pelo enquadramento com a região quer pela articulação com o tecido empresarial”, referiu o Primeiro-ministro, António Costa, na inauguração das novas instalações do Centro de Desenvolvimento Rápido e Sustentado de Produto (CDRsp/IPLeiria), na Zona Industrial da Marinha Grande. O novo edifício servirá de suporte às atividades de I&D+i, de formação avançada e para o desenvolvimento de ações de divulgação e efetiva transferência de conhecimento e tecnologia entre o meio académico e industrial.

Na sua intervenção, o governante destacou que o Instituto Politécnico de Leiria “tem condições únicas de articulação com o tecido empresarial para estimular o crescimento do País”, e enalteceu a sua contribuição “ao longo dos últimos anos, para que hoje a Marinha Grande e toda a região de Leiria seja uma das zonas industriais, que está na linha da frente do desenvolvimento, da internacionalização e da capacidade exportadora do País”.

Nuno Mangas, presidente do Instituto Politécnico de Leiria, referiu que “a ligação ao tecido empresarial, às instituições e à região de Leiria e Oeste faz parte do histórico da nossa instituição, e esta é uma realidade que queremos prosseguir e intensificar no futuro”. O presidente explicou que o CDRsp, “além do que representa, no âmbito do sistema científico nacional, evidencia também uma postura muito particular do Politécnico de Leiria, e materializa, clara e inequivocamente, aquela que é a nossa opção estratégica: colocar o conhecimento ao serviço da indústria e do desenvolvimento socioeconómico deste território”.

A nova infraestrutura científica do CDRsp representa um investimento global de 3,2 milhões de euros e foi cofinanciada pelo Programa Operacional do Centro – MaisCentro. “Tendo em consideração que grande parte da sua atividade de investigação e inovação estava intimamente ligada às empresas da nossa região, em particular à indústria dos moldes e plásticos, foi nosso entendimento localizar este Centro de Investigação junto dos seus principais parceiros, as empresas”, explicou Nuno Mangas.

“Hoje o nosso desenvolvimento depende do conhecimento e da capacidade que tivermos de transferir esse conhecimento de forma a alimentar a inovação, e a alimentar novos produtos, novos serviços, novos processos, que acrescentem valor ao que produzimos”, referiu o Primeiro-ministro. De acordo com o governante, o que permitirá ganhar produtividade e ser competitivo é a capacidade que o País tiver em gerar conhecimento e de “transformar esse conhecimento em valor”, algo para que o IPLeiria tem contribuído de modo decisivo ao longo das décadas”.

O Primeiro-ministro recordou ter conhecido “este Instituto em 2001/2002”, e destacou o seu “trabalho de persistência, que vem permitindo a sua evolução”. Tomando o exemplo o IPLeiria, e estabelecendo um paralelismo entre o futuro da instituição de ensino e o futuro do País, António Costa partilhou considerar importante “não desistir” e, “com persistência, investir na formação e na inovação”.

O chefe do Governo considera que “não é possível imaginar que um país se possa desenvolver a discutir 30 euros no aumento do salarial”, criticando aqueles que pensam “atalhar caminho com a redução de salários”. O Primeiro-ministro lembrou que o Programa de Estabilidade “hoje (21/4/2016) apresentado pelo Governo, tem a inovação como um dos seus pilares fundamentais”. Outro pilar fundamental para o Governo é o das qualificações, referiu ainda António Costa, justificando que “só há conhecimento onde houve investimento na educação”, e “só há inovação onde houver capacidade de introduzir no meio empresarial o conhecimento que foi adquirido e produzido no meio do ensino superior”.

O CDRsp atua na área das tecnologias emergentes, dos materiais avançados, da produção sustentável e da produção de tecnologias verdes. Desenvolve projetos nacionais e internacionais, totalizando mais de 100 projetos desde a sua criação, a maior parte deles com empresas, representando um investimento global de mais de 44 milhões de euros em investigação e inovação. Registou 16 patentes, e os seus investigadores fizeram mais de 200 publicações, na sua quase totalidade internacionais, tendo igualmente editado diversos livros. O seu corpo integra mais de 60 investigadores, incluindo oito estudantes de doutoramento e 15 de mestrado.

Para o presidente, “localizar este centro junto das empresas e de outras infraestruturas potenciadoras de desenvolvimento tecnológico e do empreendedorismo”, como o CENTIMFE, Centro Tecnológico da Indústria de Moldes, Ferramentas Especiais e Plásticos, e da OPEN, uma incubadora de empresas, “é ter a oportunidade de fazer parte de um ecossistema capaz de reforçar a capacidade competitiva do território e do País”, uma linha de atuação com que “nos identificamos e onde queremos ser reconhecidos como os melhores”. O presidente concluiu a sua intervenção afirmando que “Portugal e esta região têm uma aposta a ganhar: a da criação e transferência de conhecimento.”

Fonte: M.C.C.

Categorias:Ciência Tags: , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Região | Azambuja inaugura Centro de Marcha e Corrida Região | Azambuja inaugura Centro de Marcha e Corrida
Região | Requalificado o quartel dos Bombeiros de Porto de Mós Região | Requalificado o quartel dos Bombeiros de Porto de Mós
Região | Agrupamento Fernando Casimiro inaugura espaços educativos Região | Agrupamento Fernando Casimiro inaugura espaços educativos
Capela bonita nasceu da escola primária desativada do Alto da Serra. Capela bonita nasceu da escola primária desativada do Alto da Serra.

Responder

Enviar Comentário

© 2019 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.