Região | Fitoterapia: a urze ou calluna vulgaris é boa até para as insónias

Coordenação e texto de Tomás Duarte Ferreira | nairojorn@hotmail.com

Urze – Calluna vulgaris

URZE VULGARIS.

Arbusto perene da família das Ericaceas, a urze tem origem europeia encontrando-se em zonas húmidas e sombrias de França, Holanda e em Portugal, desde o cimo das montanhas até aos rochedos das regiões marítimas. É uma planta calcífuga e, por isso, apenas existe em terrenos com pH ácido ou neutro. No verão produz flores em forma de cacho, que podem ter 30 centímetros de comprimento apresentando várias tonalidades de vermelho, púrpura, rosa e branco.

As urzes – Calluna vulgaris – podem atingir 80 cm de altura, havendo formas mais baixas que, em paisagismo se utilizam, sobretudo, na cobertura de solos.

A Calluna vulgaris possui um perfil farmacológico variado que a recomenda como antissético e anti-inflamatório, diurético, homeopático, adstringente, colagogo, vaso-constritor, expetorante…

É também eficiente no tratamento da artrite, reumatismo, frieiras, tosse e resfriados, perturbações da bexiga e dos rins, estando recomendado em situações de insónia.

Atua contra a hipertrofia da próstata hiperuricémia, gota e hipertensão arterial. Como tópico pode utilizar-se em eczemas, infeções orofaríngeas e vulvares.

As flores, que contém glúcidos, taninos, ácido silicílico e outras substâncias, são colhidas com os caules, no início da floração, secando-se em locais arejados, ou em secadouros a temperaturas até 60º C. Após a secagem devem conservar-se em local seco e escuro. A infusão das flores é usada em situações de tosse, constipações e em doenças relacionadas com as vias urinárias. Recomenda-se o uso de 3 a 4 chávenas por dia. Externamente usam-se cataplasmas de flores, cozidas num pouco de água, para o tratamento de artrite e reumatismo. Mulheres grávidas e a amamentar devem consultar o médico antes de consumirem infusões desta planta.

Para preparar chá  de urze fervem-se duas colheres de chá cheias de flores secas em 250 mililitros de água, deixando-se repousar durante 10 minutos. Coa-se e está pronto. Toma-se ao longo do dia, repartido por duas ou três vezes. As sobredoses podem provocar transtornos gástricos devendo por isso evitar-se.

Categorias:Saúde Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Região | Crónicas de Lisboa – O Brexit e a incompetência dos políticos Região | Crónicas de Lisboa – O Brexit e a incompetência dos políticos
Região | Fitoterapia – Alecrim, mais uma planta aromática e medicinal Região | Fitoterapia – Alecrim, mais uma planta aromática e medicinal
Região | Fitoterapia – Alfazema, do perfume às propriedades medicinais Região | Fitoterapia – Alfazema, do perfume às propriedades medicinais
Região | Brexit sem acordo desperta adoção de propostas de contingência. Região | Brexit sem acordo desperta adoção de propostas de contingência.

Responder

Enviar Comentário

© 2019 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.