Região | Futuro Salarium – Museu do Sal ficará situado na Fonte da Bica

José António Lopes, o promotor do projeto Salarium – Museu do Sal.

«Sal do Mundo» é o conceito do futuro Salarium – Museu do Sal das Salinas de Rio Maior.

Na última sexta-feira, 14 de Setembro, José António Lopes, promotor do projeto Salarium – Museu do Sal, organizou o primeiro Fórum Salinas 2018 – Comunicação, Intervenção e Debate, que contou com oradores como o geólogo Jorge Sequeira que descreveu sucintamente a origem do sal de Rio Maior desde os mares do Jurássico de há 200 milhões de anos até às Salinas de Fonte da Bica, o arqueólogo riomaiorense Carlos Pereira que abordou a história e arqueologia das Salinas bem como a presença humana e seus vestígios numa considerável área envolvente, o Professor Doutor Fernando Nobre, cirurgião, para quem “sem sal não há vida” advogando no entanto o consumo mínimo indispensável à saúde e que dissertou sobre as doenças da fome e da fartura, a Dra. Carla Branco, outra riomaiorense que vê na inovação o fator incontornável da sustentabilidade das Salinas e o Dr. Ceia da Silva que na mesma linha vê esse futuro indissociável do Turismo.

Infelizmente, um terceiro riomaiorense viu-se impossibilitado de dar o seu contributo a este Fórum, por motivos inadiáveis de saúde; o jornalista e professor Novais Granada, nesse dia e sensivelmente à mesma hora foi submetido a uma cirurgia. Novais Granada falaria do Salgado de Rio Maior, o que certamente ficará para outra oportunidade dado os contributos que terá para dar à sua história.

Moderou os painéis temáticos e respetivos debates o Professor Doutor Sérgio Fonseca.

Dadas as boas-vindas pelo promotor do Fórum, abriu a sessão o Eng. António Campos, presidente da Comissão Executiva da NERSANT, que “o projeto Melhor Turismo, liderado no Ribatejo pelo NERSANT, tem aqui (nr.: no projeto Salarium – Museu do Sal) a sua expressão máxima”, salientando a sua importância no contexto de uma aposta regional necessariamente vasta no Turismo de qualidade e de marca distintiva.

António Campos, presidente da Comissão Executiva do NERSANT. Sentado, vê-se Sérgio Fonseca que moderou os painéis.

O projeto Salarium – Museu do Sal, numa conversa com o seu promotor.

Imagem do futuro Salarium – Museu do Sal, das Salinas de Rio Maior.

Junto de José António Lopes, www.regiaoderiomaior.pt inteirou-se de vários aspetos contemplados no projeto Salarium – Museu do Sal.

José António Lopes (JAL) – O projeto do Salarium – Museu do Sal já está aprovado desde Março de 2017 pela Câmara Municipal de Rio Maior e as demais entidades competentes. Neste momento está em fase de financiamento, portanto estamos a preparar as candidaturas e a descrição do conteúdo das diversas variantes que o Museu pode ter.

Região de Rio Maior (REGIÃO) – Onde é que o Museu do Sal vai ser instalado?

JAL – O Museu vai ficar instalado a cerca de 400 metros do núcleo das Salinas, na Fonte da Bica, nas instalações da antiga gráfica que serão reconvertidas para esse efeito.

REGIÃO – Qual é a área prevista para o Museu?

JAL –  O Museu terá uma área de cerca de mil metros quadrados.

REGIÃO – Qual é o conceito do Salarium – Museu do Sal?

JAL –  «Sal do Mundo». É esse o conceito do Salarium – Museu do Sal. Ou seja não será um museu dedicado exclusivamente às Salinas de Rio Maior porque as nossas Salinas são apenas uma componente do sal.

REGIÃO – O conceito «Sal do Mundo» tem alguma coisa a ver com o Ecosal Atlatins*?

JAL –  O conceito tem a ver com o Ecosal Atlantis mas não só. Em articulação com o Centro de Negócios e Inovação de Rio Maior, há dois ou três anos nós fizemos um estudo do sal que permitiu determinar vários pontos de referência do sal no Mundo. Estudámo-los em pormenor e verificámos que produzem sal de várias formas e que cada um deles tem uma componente turística agregada. Percebemos também que todos esses pontos de referência, sem exceção, passaram por uma situação de falência, de cessação de atividade ao longo dos últimos 100 ou 200 anos. Mas houve algo que os fez voltar à vida e que é, exatamente, a componente Turismo, como é o caso por exemplo da Mina de Sal Wieliczka na Polónia…

REGIÃO – A Mina de Sal de Wieliczka, em Cracóvia, até tem capelas lá dentro, a principal das quais é a de Santa Cunegunda…

JAL – A Mina de Wieliczka tem capelas lá dentro, continua a produzir sal mas hoje em dia o principal motor deste e dos outros pontos de referência do sal no planeta é o Turismo.

REGIÃO – O que pretende alcançar com o Fórum Salarium – Museu do Sal?

JAL – Este Fórum foi o começo de um processo que passa por outras iniciativas do género, inclusivamente temáticas, com a finalidade de criarmos conteúdos para o Museu do Sal. O Museu necessita de conteúdos: conteúdo científico, conteúdo histórico, etc. Uma parte é o que temos aqui visível nas Salinas de Rio Maior e que toda a gente conhece; a outra parte é toda a sustentação do que o Museu irá expor, que exige muito trabalho técnico, de pessoas credenciadas ligadas a universidades, ao conhecimento científico, geológico…

* O projeto ECOSAL ATLANTIS – Ecoturismo em salinas do Atlântico, que integra as Salinas de Rio Maior, visa um desenvolvimento conjunto, integral e sustentável do turismo assente no património cultural e natural dos espaços salineiros tradicionais do Atlântico.

Participação no Fórum Salinas 2018. Em primeiro plano veem-se o Professor Doutor Fernando Nobre e a Dra. Carla Branco, dois dos oradores.

O Fórum foi encerrado pela presidente do Município de Rio Maior, Isaura Morais, de Fonte da Bica, familiar do promotor do projeto e ela própria detentora de salina, que também defendeu que sendo o sal “um produto pobre, será a mais-valia e o valor acrescentado que nós temos que lhe colocar e toda esta inovação que farão dele aquele produto turístico que queremos que venha a ser”. Carlos Pereira guiou depois os oradores e demais convidados numa visita às Salinas, seguindo-se um almoço no restaurante Salarium.

A presidente do Município de Rio Maior, Isaura Morais, foi convidada a encerrar o Fórum Salinas 2018.

Texto e fotos: Carlos Manuel

Categorias:Rio Maior Tags: , , , , , , , , , , ,

Também pode ser do seu interesse:

Região | Movimentos – Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números Região | Movimentos – Bombeiros Voluntários de Rio Maior em números
Região | Residência de Estudantes da ESDRM volta a ficar para trás! Região | Residência de Estudantes da ESDRM volta a ficar para trás!
Região | Os juniores do Rio Maior S. C. estão a crescer Região | Os juniores do Rio Maior S. C. estão a crescer
Região | Quarteto de Cordas da GNR aplaudido de pé em Rio Maior Região | Quarteto de Cordas da GNR aplaudido de pé em Rio Maior

Responder

Enviar Comentário

© 2018 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.