UDRM – Vítor Alexandre e Pedro Silva fazem a retrospectiva da época

Não foi fácil fazer “renascer das cinzas” a União Desportiva de Rio Maior e levá-la até campeã da 2ª Divisão Distrital de Santarém. Muito já se disse sobre o percurso da equipa de Rio Maior, que voltou à actividade no ano passado quando, à última da hora, se inscreveu para participar no segundo escalão dos campeonatos da Associação de Futebol de Santarém.

Para lá do que foi visível, fica o trabalho de fundo realizado pelos dirigentes (lá iremos em futuras edições) e acima de tudo pelos responsáveis técnicos da equipa riomaiorense, o treinador Vítor Alexandre e o seu adjunto Pedro Silva que tornaram possível este autêntico milagre.

Recorde-se que a UDRM, começou muito tarde a sua época desportiva, em virtude das dúvidas e entraves que existiam ao regresso da UDRM ao futebol, acabando inclusive por falhar a presença no primeiro jogo do campeonato (o que valeu uma derrota aos riomaiorenses) mas ultrapassados esses obstáculos a equipa riomaiorense partiu à conquista do seu objectivo para essa época, que era fazer o melhor possível e honrar a camisola.

Vítor Alexandre regressou ao clube do seu coração, desta vez como treinador.

Vítor Alexandre regressou ao clube do seu coração, desta vez como treinador.

Questionado acerca de como surgiu o convite para treinar a UDRM, o riomaiorense Vítor Alexandre surpreende bem-humurado, dizendo “Não foi bem um convite… eu fui praticamente obrigado a treinar o Rio Maior”. O actual técnico da UDRM estava ao corrente da situação do clube e já se tinha disponibilizado para ajudar o clube da sua terra e do seu coração, frisando no entanto que não estava disponível para ser treinador pois queria dedicar mais tempo à sua família.

No entanto, quando o pedido de auxílio surgiu, através de Serginho, o coração falou mais alto e treinador não foi capaz de recusar, “Não consegui dizer que não. Não fazia parte dos meus planos, mas fi-lo para ajudar e felizmente correu bem” – conclui com felicidade.

Pedro Silva, que já havia acompanhado Vítor Alexandre durante a época anterior no Beneditense, e que o acompanhou também nesta aventura, recorda que “Eram três da tarde de sexta-feira, do dia 27 de Setembro quando o Vítor me disse que era para treinar, nesse mesmo dia, à noite, na véspera do primeiro jogo em Barrosa. Como é óbvio, e sem jogadores suficientes, não foi possível a presença nesse primeiro encontro.” – começa por lembrar Pedro Silva, dizendo ainda que o primeiro jogo (com a AREPA) foi jogado com apenas quatro treinos (o resultado final foi 2-3, desfavorável aos riomaiorenses).

Pedro Silva, que já havia acompanhado Vítor Alexandre no Beneditense, acompanhou o técnico riomaiorense nesta nova "aventura".

Pedro Silva, que já havia acompanhado Vítor Alexandre no Beneditense, acompanhou o técnico riomaiorense nesta nova “aventura”.

Para Vítor Alexandre, não foi começar do zero mas sim abaixo disso – “A primeira equipa tinha treze jogadores, e começamos após três treinos”, lembra Vítor, dizendo ainda que sentiu dificuldades para compor o primeiro onze pois faltavam-lhe jogadores o que o forçou a adaptações, sendo que, por outro lado, tinha jogadores inexperientes – “Tive jogadores a quem perguntei em que posição jogavam e que me disseram «não sei… nunca joguei futebol de onze»” – relembra-se com humor.

Este é apenas um excerto da esta extensa entrevista que Vítor Alexandre e Pedro Silva deram ao Região de Rio Maior. Pode encontrar a primeira parte da entrevista, na íntegra, na edição em papel, Nº 1339 de 6 de Junho de 2014, do seu semanário favorito.

Categorias:Grande Entrevista

Também pode ser do seu interesse:

O Pavão O Pavão
XXXI Salão de Outono, em Pequeno Formato XXXI Salão de Outono, em Pequeno Formato
Inês Henriques e Jorge Miguel de ouro Inês Henriques e Jorge Miguel de ouro
Corfebol: Torneio para Todos em Rio Maior Corfebol: Torneio para Todos em Rio Maior

Responder

Enviar Comentário

© 2017 . Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por MDS Implement Ideas.